Minha linha do amor na palma da mão é curta

Prometi sensatez. Talvez calma, paciência, serenidade e compreensão; prometi a mim mesma, além de um bocado de pé no chão e nenhuma idealização. Feito, pouco espero, quase nada. As vezes me desespero quando vejo a proximidade que nos toma. Não sinto muito, exceto apreço e enorme admiração, o que já me basta como situação de risco. 

Penso que esta seja a pior das conexões, aquela que perdemos a hora certa de cancelar. Agora imagino que eu não possa me desfazer dela  e, se por escolha externa, for  preciso que esta deixe de existir, apenas se manteria sob ondas, silenciosa, até que o destino trate de reconectá-las.

Lamento um pouco, quase nada, por ter me exposto da forma que me exponho entre um e um milhão. Lamento, não por mim, mas por quem se depara com enorme bagunça, intensidade e confusão. Ainda que aquele se depara, seja uma bagunça maior. Sob meu ponto de vista, não lamento ter me exposto. Nunca lamento, pois minhas escolhas são impecáveis quanto o acesso que permito às minhas variadas formas de sentir, à compreensão e descoberta de que não há amargura ou azedume algum por de trás desta estrutura rígida e tirana.

Minha sinceridade e minha amabilidade, jamais me levaram a lugar algum, nem por isso temo em ser sincera com meus sentimentos -quando existem. Sincera comigo. O que não significa, sempre me expor. No momento, guardo o ínfimo sob escritos e um pouco além, na minha imaginação, pois contra meus argumentos, certa vez conheci alguém como eu e tive enorme ojeriza por tamanha profundidade. 

Já não cabe a mim, soluções mirabolantes para evitar qualquer forma de dor, válvulas de escape, fugas e inacessibilidade. Estou certa de que percorro um caminho turvo e de que a dor é certa.  No entanto devo assumir a única coisa da qual tenho certeza: ele tem o melhor cheiro que já senti. Mas preciso esquece-lo, antes que ele esqueça o meu. O que é uma pena, pois ele valia a pena.

1 Response to Minha linha do amor na palma da mão é curta

Anônimo
10 junho, 2013

Inveja dele!

Postar um comentário

 

Copyright © 2009 Oh, Maria... All rights reserved.