Sonho de ter uma vida sã



Eu tenho é piedade: faz-se de amor da cabeça aos pés, fala de amor, não como interlocutora, mas como perita; como quem sente. Afirma  com veemência sentidos e descarta motivos, provas e evidências de que suas teorias e sua falsa entrega são sinais de demência, alienação ou falsidade. Pré-programada ou não, desejo acreditar que mentes tanto que passa a acreditar em si mesma. Tu é, da cabeça aos pés, sujeira purinha (ou apenas lhe falta olhos de ver com alma?). Eu tenho é piedade, pois não se  conhece como se intitula, não se  analisa como se promove, sequer ama como descreve. Mas calcula como mestre. Se poda e se articula como atriz. Quando sentes, realmente acredita que sentes? Ou mente a si, ao ponto de sequer notar o quanto falsa são as premissas? Tua alma e teu peito enfermo, fatidicamente distantes da redenção do “eu”.  O eu que se desdobra e se torna nós; que se encobre de nós e, arredio, pós-fracasso da dissimulação que nem a si mesmo convenceu, se olha no espelho e assume o quanto és podre por dentro.

4 Response to Sonho de ter uma vida sã

Anônimo
14 dezembro, 2012

Your anger scares the hell out of me.

Anônimo
15 dezembro, 2012

Tá falando de si mesma

Anônimo
17 dezembro, 2012

Esteja falando de si mesma, ou de outra pessoa, está sendo muito dura. Somos todos inconstantes e às vezes contraditórios. Não é mentira, não é falsidade. Somos complicados... Não devíamos nos analisar tanto. O bom é sentir. E, sempre que possível (e aí é que está a dificuldade), nos deixarmos levar por esses sentimentos. Sem culpas.

Anônimo
05 janeiro, 2013

De si ou de outra... é sempre na medida perfeita, sempre com sentimentos e paradoxos intensos, sempre tocando de todas as formas as feridas de quem passa aqui.

Postar um comentário

 

Copyright © 2009 Oh, Maria... All rights reserved.