Após minha inércia

ROTATIVIDADE; INCONSTÂNCIA. Assim poderia me descrever na maior parte do tempo. Quase nada é definitivo e concreto a partir do momento que sai de minha boca. Em contrapartida, em mérito a quem ousa apostar fichas na égua que carrega alcunha de cilada, afirmo que a mesma, quando atinge uma vitória, sabe valoriza-la. Melhor dizendo, no dia que for pra sentir e ser sentida, eu vou sentir é meus ventres e minhas tripas reviradas. Me dói mais a confusão de não saber o que meu peito abriga do que um amor não correspondido, portanto li em algum lugar, que se te encontra confuso e incerto, a inércia trará a razão. Em oposição, diz- se que se a sombra da dúvida bate tua porta, é porque simplesmente não é: será que sinto algo? "Se sentisse saberia". Quase me conformei. Anda bem que discordei. Sorte que me repousei, me mantive na inércia e deixei que as respostas surgissem após a tempestade. Não questiono minha veracidade nem minha certeza, mas luto pra que se torne constante a gratidão, a paixão, a admiração. Torço pra que se torne a cada dia algo maior ao ponto de cegar meu individualismo, meu egoísmo e meu medo. Hoje, posso dizer que tenho aprendido a ser mais humana. Amanhã espero poder dizer que amo, sem receio ou idealizações. Se o amor for aquilo que cresce lentamente, talvez eu esteja no caminho certo.

No Response to "Após minha inércia"

Postar um comentário

 

Copyright © 2009 Oh, Maria... All rights reserved.