Minha fala sem freio e anseio

Dei por findo qualquer papo desses sobre libertinagem sacanagem qualquer ideia torta sobre espíritos libertários pra mim é cilada é voragem não existe mancebo nesse mundo com a cabeça feita a ponto. Se tem amor no peito não tem sentimento na sola. Tá tudo no peito e tua cara não mente: aí não tem malandragem esperteza improviso nem nuance de malícia corre solto nessa veia que estala SEM SACANAGEM assume a fraqueza, que sem eira nem beira e covarde não se alcança a vitória em nenhum embate. Sem prioridade valor ou ambição -não tô falando de grana falo de virar gente. Burro não! Ignorante mal informado e sem noção. Na esquina tu cai e segue andando de quatro. Eu fico só olhando. Minha mão eu não dou pra você levantar é muito orgulho eu não te insulto mas não te assumo não te largo mas não te amo. É um impasse: eu com classe e você arredio. Mas não minto: contigo meu pavio é longo minha pressa é nula e o sangue é quente feito aguardente não tem vírgula nem parágrafo só ponto corrido "ei me mostra essas coisas que tu escreve ai" vou te enrolando ate aprender falar de amor contigo. 

6 Response to Minha fala sem freio e anseio

Anônimo
25 outubro, 2012

Pedrada! Você conseguiu colocar a falta de pontuaçao a teu favor sem perder o ritmo e o sentido! Clap, clap, Maria!

25 outubro, 2012

Teus textos com ou sem pontuaçao sempre nos deixa ofegantes ao final.

Ali
26 outubro, 2012

Ahhhh, ponha em versos!

Anônimo
26 outubro, 2012

Não entendi nada...

Saramago
26 outubro, 2012

vai ler saramago entao

Brunette
22 novembro, 2012

libertinagem sacanagem voltou

Postar um comentário

 

Copyright © 2009 Oh, Maria... All rights reserved.