Belial

Olha, eu te amo. Estranho começar uma carta assim? Foi a primeira coisa que me veio em mente, a segunda é que eu sempre vou te amar. Mesmo que não mereça, mesmo que eu devesse ter nojo, ou ódio, ainda consigo alimentar uma parcela de carinho infinita, que te deseja todo bem do mundo. Mas que também deseja que essa distância entre nós não se minimize. Não preciso trocar nem meia dúzia de palavras com você. Não preciso estar perto, nem desejo. Eu te amo assim, eu cá, você aí. Nenhuma palavra. Jamais. Pra que o rancor não tome frente diante das lembranças que a proximidade haveria de trazer. Assim, distante, olha como eu te amo e te quero bem. De longe você me parece um anjo.

1 Response to Belial

Anônimo
23 julho, 2012

Evitar a dor
É impossível
Evitar esse amor
É muito mais

Postar um comentário

 

Copyright © 2009 Oh, Maria... All rights reserved.