de minha irmã de outras vidas:

"eu tenho um amor do meu sexo e do meu sangue,

que é puro, inane e distinto que eu boto a mão no fogo

e se me queimo não grito; e queima! pois é sedenta da vida

e corre sangue nas veias. por isso eu amo, não minto."

p.


"Tenho problemas de limites com os homens. Ou talvez não seja justo dizer isso. Para ter problemas com limites, é preciso primeiro ter limites, certo? Mas eu sou inteiramente tragada pela pessoa que amo. Sou como uma membrana permeável. Se eu amo você, eu te dou tudo que tenho. Te dou o meu tempo, a minha dedicação, a minha bunda, o meu dinheiro, a minha família, o meu cachorro, o dinheiro do meu cachorro, o tempo do meu cachorro - Tudo. Se eu amo vcê, carregarei para vcê toda sua dor, assumirei por você todas as suas dívidas (em todos os sentidos da palavra), protegerei você de sua própria insegurança, projetarei em você todo tipo de qualidade que você, na verdade, nunca cultivou em sí mesmo e comprarei presentes de Natal para sua família inteira. Eu te darei o sol e a chuva e, se não estiverem disponíveis, te darei um vale de sol e um vale de chuva. Darei a você tudo isso e mais, até ficar tão exausta e debilitada que a única maneira que terei de recuperar minha energia, será me apaixonando por outra pessoa"


do livro Comer, Amar e Rezar, de Elizabeth Gilbert.

No Response to "de minha irmã de outras vidas:"

Postar um comentário

 

Copyright © 2009 Oh, Maria... All rights reserved.